RH na Pequena Empresa

RH na Pequena Empresa

Msc. Marcos A. L. Berenguer

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA PEQUENA EMPRESA

João Pessoa, 2000

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA PEQUENA EMPRESA

Resumo

A gestão de pessoas na pequena empresa, torna-se atualmente uma exigência que estabelece o diferencial para o sucesso ou insucesso dos pequenos negócios. Sem dúvida, o gerenciamento adequado daqueles que compõem os quadro técnicos proporciona um rendimento mais significativo, contribuindo para uma maior rentabilidade dos investimentos. O Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos – SIGRH, tem a finalidade de prover as informações essenciais para um gerenciamento eficaz de todos os recursos disponíveis, e torna-se uma ferramenta indispensável em nosso tempo, face a grande concorrência que exige, cada vez mais, um alto grau de qualidade dos serviços dispensados em todos os níveis.

Abstract

The people’s administration in the small company, becomes now a demand that establishes the difference for the success or failure of the small businesses. Without a doubt, the appropriate administration of those that compose them squares technicians it provides a more significant revenue, contributing to a larger profitability of the investments. The Integrated System of Administration of human resources – SIGRH, has the purpose of providing the essential information for an effective administration of all the available resources, and he/she becomes an indispensable tool in our time, face the great competition that demands, more and more, a high degree of quality of the services released in all the levels.

Podcast Gotan Project

Gottan Project

Maquiaveliano sem preconceito

Autor: MSc. Marcos A. L. Berenguer

            Muitos são os que acreditam  que os desvios de conduta geralmente encontrados e identificados no comportamento das pessoas em uma empresa podem ser relacionados aos ensinamentos de Nicolau Maquiavel, configurando, assim, de forma pejorativa, o termo maquiavélico. Ledo engano. Essa conotação adjetiva se aproxima muito mais de um preconceito do que de uma verdade. Falsidade, perjúrio, malogro, mentira, perversidade são comportamentos pelos quais muitas pessoas são identificadas como maquiavélicas. Entretanto, não temos a permissão para atribuir a Maquiavel tamanha ignorância. Continuar lendo

A Necessidade do Líder na Gestão Empresarial

Não há dúvidas, com todas as mudanças que estão ocorrendo no mundo organizacional as empresas necessitam cada vez mais de líderes que utilizem das suas habilidades para encontrar alternativas dentro desse cenário repleto de incertezas.  Contudo, nos resta saber qual é o modelo de líder capaz de atender às expectativas empresariais, o que tem como origem de sua autoridade e credibilidade o elevado cargo dentro da hierarquia? A esse trataremos como líder instituído – um líder instituído tem como característica exercer sua liderança por meio da autoridade e poder que o  cargo lhe oferece, portanto, não tem “aceitação dos seus subordinados” –, ou aqueles que classificamos comolíderes natos, que possuem características de liderança inatas, cuja presença é indispensável, devendo existir nos vários escalões  da hierarquia.  Há algumas comparações indevidas entre os termos líder e administrador, porém, esses são dois termos distintos, entretanto podem estar interligados, em algumas situações, porque um bom administrador pode ser um líder, e vice-versa.

Essas duas funções têm o mesmo grau de importância na estrutura organizacional, pois, uma empresa necessita de bons administradores e de líderes que saibam guiá-la em tempos de mudança.
As habilidades de um líder não podem ser listadas facilmente, pois, há diferentes tipos de líderes segundo a abordagem contingente do fenômeno da liderança (Bergamini, pág. 33), que possui o ponto de vista de que outros fatores afetam o surgimento do líder. Esses fatores podem ser desde o ambiente de trabalho adequado ao estilo comportamental dos seus seguidores. Esses seguidores que antigamente eram apenas sujeitos passivos, no que diz respeito à liderança, porque apenas recebiam as decisões previamente tomadas por seu superior e as realizavam. Contudo, os colaboradores precisam romper esse antigo paradigma e devem assumir uma postura ativa dentro do contexto de tomada de decisão, expondo suas opiniões e proporcionando umfeedback sobre as conseqüências das decisões anteriores que foram tomadas.

O Poder nas Organizações

Você acredita que as relações de poder são exercidas diferentemente nas organizações públicas das organizações privadas? Fazendo uma analogia simplificada, a empresa moderna pode ser entendida como o “Estado”, e como tal reproduz as dimensões da complexidade de se conduzir e manter os principados nele existentes.

Portanto, ao procedermos a uma análise mais apreensiva sobre os escritos de Nicolau Maquiavel, poderemos identificar uma sorte de preocupações a respeito de comportamentos que seriam imprescindíveis para que o príncipe conquistasse e mantivesse o seu principado.

Uma reflexão à luz das exigências e dos valores dos príncipes daquela época se faz necessária. O que propomos é uma análise de tais exigências em nossos dias e, a exemplo de Maquiavel, poderíamos instituir uma virtù contemporânea,sem deixar de observar os valores éticos atuais, com a intenção de orientar a ação em busca de um comportamento comprometido por parte de todos os que fazem a organização.

Portanto, a pergunta que cabe nessa analise é: o que devemos fazer e como devemos viver as relações de poder na empresa moderna?